Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nenúfar

"Todos elogiam o sonho, que é o descansar da vida. Mas é o contrário, Doutor. A gente precisa do viver para descansar dos sonhos"

Nenúfar

"Todos elogiam o sonho, que é o descansar da vida. Mas é o contrário, Doutor. A gente precisa do viver para descansar dos sonhos"

...

16.08.20, Nenúfar

 

 

O que é a falácia ad hominem?

Presenciamos praticamente todos os dias a falácia ad hominem. Podemos ver isso na mídia ou nas redes sociais, quando há duas partes que defendem argumentos contrários e uma tenta desacreditar a outra recorrendo a argumentos irrelevantes para a questão como aparência pessoal, gênero, opção sexual, nacionalidade, cultura e / ou religião.

A falácia ad hominem é a tendência de atacar o interlocutor, em vez de refutar suas idéias. Quem a usa, desqualifica os argumentos do outro por meio de ataques pessoais destinados a minar sua autoridade ou confiabilidade.

Pode-se recorrer a insultos pessoais, humilhação pública ou até mesmo trazer à tona os erros que aquela pessoa cometeu no passado. Também é comum que sejam atacadas características pessoais do interlocutor que, aparentemente, estão em contradição com a posição que defendem. E há quem recorra à mentira ou exagere supostos defeitos do outro para desvalorizar suas ideias.

O objetivo principal dessa falácia é desacreditar quem defende uma ideia, redirecionando o foco da atenção para um aspecto irrelevante que nada ou pouco tem a ver com a situação em questão.

Muitos exemplos de falácias ad hominem ocorreram e continuam a ocorrer ao longo da história. Arthur Schopenhauer, por exemplo, era um misógino, mas isso não significa que muitas de suas ideias filosóficas não fossem extremamente interessantes. Ayn Rand era uma defensora ferrenha do capitalismo, mas isso não significa que não possamos encontrar valor em seu objetivismo.

Como assinalou o político García Damborenea: “É compreensível que a ideia possa desagradar, mas se Hitler afirmava que dois mais dois são quatro, ele teria que estar certo”. Afinal, mesmo um relógio parado diz a verdade duas vezes por dia. Se não aceitamos essa realidade, simplesmente nos fechamos para a diversidade e complexidade que existe no mundo. E provavelmente perderemos a oportunidade de crescer, sendo apanhados pelas ideias daqueles que pensam como nós e compartilham nosso sistema de valores, engolfando uns aos outros.

 

Artigo escrito por Jennifer Delgado Suarez 

1 comentário

Comentar post