Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nenúfar

"Todos elogiam o sonho, que é o descansar da vida. Mas é o contrário, Doutor. A gente precisa do viver para descansar dos sonhos"

Nenúfar

"Todos elogiam o sonho, que é o descansar da vida. Mas é o contrário, Doutor. A gente precisa do viver para descansar dos sonhos"

...

08.04.20, Nenúfar

 

Todos são perfeitos santos e freiras quando se fala dos pecados dos outros. Apontar dedinhos é fácil. Esconder as mãos sujas também.
Vivemos na era do falso moralismo. Do julgamento fácil e aleatório. É tão simples julgar. Simples demais. É tudo tão (in)certo nesta sociedade, que até enjoa. São todos tão (im) puros e elas tão castas.
Faz-se uma linha no chão por onde todos devem caminhar, sem exceção. Em fila. Sem desviar o olhar, sem olhar em redor. Apenas em frente (e para o próprio umbigo). Todos caminham na mesma direção, ainda que não se saiba para onde. O importante é ir. E ir com os outros. Não se presta atenção ao caminho, pois nem esse é importante. Faz-se um ar sério e grave. Sorrir (deve) pagar imposto.
Quando alguém ousa transpor a linha, virar a cara, olhar em volta, leva-se as mãos à cabeça. Coitados dos pais, das mães, tias e avós que não souberam manter aquela ovelha no rebanho. Triste o fado da ovelhinha perdida. São mais os dedos que apontam do que as mãos que abraçam. Não sabe a ovelha que vai para o lado errado? Não pode! Se outras lhe seguem o que será do rebanho? É o Apocalipse!
Nesta sociedade onde todos tapam o sol com a peneira, onde todos são formatados para serem iguais, quem é diferente é perentoriamente julgado. Marginalizado. Julgado em praça pública pelo crime cometido: o de ser. O de pensar. O de reagir.
Pois que me julguem. Que me amaldiçoem. Que me caiam os telhados de vidro imperfeitos, estilhaçados nas pedras das mãos que os atiram.
Vou continuar a ser eu. A ovelha tresmalhada que se desvia da multidão que a sufoca. Que prefere viver a subviver. Que prefere ser livre desta tragédia grega. E se conseguir tresmalhar umas quantas ovelhas com as armas que tenho - o pensamento, a essência e a palavra - com certeza que o farei.
Prefiro ser uma 'Maria vai sozinha do que uma Maria que não sabe para onde vai.'

Miss Paty

3 comentários

Comentar post